21 fevereiro, 2012

101 em 1001 | doze e quinze

Comecei meu projeto 101 coisas em 1001 dias!!! A lista ainda não foi definida por completo, mas já apertei o botão start e vamos ver no que vai dar :)
Como uma das tarefas é postar os ítens concluídos (#02), abaixo seguem dois deles:
#12: ir no parque de diversões. Só me dei conta que cumpri o ítem depois, porque não era esse tipo de parquinho que eu tinha em mente, hehe… mas, bem… é um parque e eu me diverti (perigosamente haiusdiuas). Aliás, quem nunca encheu a paciência da mãe pra ir no parquinho que acabou de chegar no bairro?… Em nome da nostalgia eu e meu irmão paramos nesse parquinho, no bairro vizinho ao nosso, e eu relembrei o quanto é legal dirigir carrinhos de bate-bate, rs!
parquitoc
#15: Formatar cartão de memória do celular, reinstalar aplicativos. Desde que voltei a ter Android eu uso um cartão de 8G que eu entupo de músicas e aplicativos… Mas esqueci de formata-lo do uso anterior e tava aqueeela bagunça! Sem contar aquele monte de pasta sem uso de apps que desisntalei… E não tinha como saber quais pastas estavam eu uso e quais não. Pra me organizar, anotei os apps que eu não queria esquecer de reinstalar depois e aproveitei a folga do carnaval e a internet de casa pra cumprir a tarefa. Meu celular tá bem melhor pra usar (y).
reinstalando apps android
Acompanhe o projeto aqui.

02 fevereiro, 2012

Bons ventos

Desde os meus 14 anos sou fascinada por SP - e hoje, muito sem querer querendo, observo que as pessoas que eu mais gosto na internet, são da terra da garoa. No meio desses web-queridos: Jack e Darlan - ela, entre outras coisas, fotógrafa. Ele, entre outros ofícios, palhaço. Mais cedo ou mais tarde, isso ia mesmo dar em palhaçada – ou arte! Melhor ainda: palhaçada e arte.

E a Av. Paulista, que já viu tanta coisa, foi cenário pros dois nos deixarem um bonito lembrete.  O que era pra ser somente um ensaio, acabou virando uma intervenção urbana – e se eu pudesse colocar com as minhas palavras, diria que o lembrete era: “fale sobre o amor, ame, fale pra alguém que você o ama”. Lembrete esse que ficou lindamente registrado em fotos pela Jack.

Pedi ao Darlan para postar as fotos. Todas foram retiradas do facebook, do álbum "bons ventos". Eu perguntei o porque do nome e ele disse "por que sim, naquele calor "humano" de SP, veio um ventinho bom pra refrescar" rs. 

 Então, do facebook diretamente pra vocês: Bons Ventos.

Intervenção_urbanaSP1

21 janeiro, 2012

Preciso parar de querer

 

Bem,

Já tentei fugir

Já tentei mentir pra mim mesmo que não

Eu vou conseguir

Falo alto pra me ouvir

Mas volto sempre e dou uma coçadinha aqui e ali

 

Ferida sempre aberta

E eu a reclamar de Ti

Sou eu quem não paro de

 

Coçar as feridas

Me algemar de novo

Logo eu que sou livre

Me pego lembrando

Querendo esquecer

Tentando aprender

Que pra você me curar preciso parar de querer

 

Pra você que, como eu, ainda precisa de cura. Ah, e obrigada, Sidney :P

31 dezembro, 2011

Mas já? Fica, vai ter bolo…

tu sabes quem eu sou2

Pra começar: clica no play que esse post tem trilha sonora (*)

Eu não poderia fugir ao típico exercício de reflexão de final de ano. Mas farei isso de uma forma diferente. Estou às portas de 2012 e não daria tempo de detalhar tudo que andei pensando e vivendo – então farei desse post um memorial para mim mesma, porque mesmo sabendo que a obra não está completa, não gostaria de deixar escapulir o que aprendi. De forma alguma são assuntos esgotados – quem somos nós, né? – mas dei o primeiro passo para sair do quadrado, e isso é bem especial para mim. Porque por mais confuso, solitário, estranho e sem referências, 2011 foi talvez o ano mais importante pra mim até agora,  um divisor de águas mesmo.

25 novembro, 2011

Aprendendo a ler

Desde que me entendo por gente, eu sempre gostei do universo dos livros. Todas aquelas letrinhas, figuras e cheiros me hipnotizavam por horas, de modo que brinquedos e livros estavam sempre misturados. Nem sempre livros próprios para a minha idade. Haviam dois livros de poesia em especial que me cativavam: “Meus Poemas Preferidos”, de Manuel Bandeira, e “Flor de Poemas”, de Cecília Meireles. Eu os lia sempre, e recitava o pequeno poema triste de Manuel Bandeira, chamado “O Bicho”.

Na maior parte do tempo eu me limitava à biblioteca que tínhamos em casa – o que se resumia a uma estante de aço, com prateleiras frias que eram aquecidas somente pelos livros que minha mãe juntava desde solteira. Daí ela casou com meu pai, que juntava livros, entre outros assuntos, de fotografia, e então voltamos para o ponto da história que vocês já conhecem: eu amava aqueles livros. E acho certo conjugar o verbo “amar” no passado e devo explicar isso melhor agora. Este é um momento de confissão.

Depois que decidi que entraria num seminário e comecei a descobrir o altos e baixos da vida acadêmica (mais baixos que altos, no meu caso), percebi que ler poderia ser bem chato também. Eu não estava acostumada com ensaios científicos, e cá pra nós, eu nem estava esperando isso num curso de cunho vocacional. Na realidade, eu não sabia bem o que esperar. A maior parte eram expectativas românticas, como a maioria dos seminaristas estão acostumados a nutrir (se não é a maioria, não me conte. Não quero me sentir idota e sozinha agora). Então eu me via num seminário teológico, sendo bombardeada por textos de autores que eu nunca tinha escutado falar e lendo um monte deles por pura obrigação (eu falei que esse era um momento de confissão).

LIVROS 2011 2

15 novembro, 2011

Quadro negro da imaginação

Molly tem uma câmera fotográfica como melhor amiga, um grande quadro negro, provavelmente algumas caixas de giz e certamente muita imaginação. No alto dos seus 18 anos, a garota junta tudo isso em pequenos vídeos criados e dirigidos por ela no YouTube. Selecionei um deles pra vocês terem idéia do que tô falando – mas o canal da garota é realmente muito legal e vale o clique!

Mais em Chalkboard Imagination

14 novembro, 2011

Olha esse blog! #001 | Garota Criatividade

Há um tempo atrás rolava no site da Capricho um blog coletivo super legal. Era o “Tudo de Blog” (quem lembra?). Eu ainda acho a idéia genial e não sei porque acabou. Funcionava assim: a redação da revista escolhia 100 blogs por ano de leitoras (e leitores), e dava pra eles uma pauta (não lembro se era semanal, quizenal, não sei). Os assuntos iam desde polêmicas do momento, temas em alta e política, até as leviandades novidades do mundo pop, comportamento, vida pessoal… Eu curtia. E volta e meia observava os blogs alistados - que foi onde eu descobri o Olhar 43, um blog cheio de fofurinhas para meninas (olha esse blog também! Rs!). Depois de um tempo é que eu fui descobrir que a Paty Pegorin, a dona do Olhar43, também tinha o Garota Criatividade, que o blog do qual eu vim falar hoje.

E oh, taí um tema que eu gosto! Criatividade! Ela não é fascinante? Eu realmente acho que qualquer pessoa pode ser criativa. E se você manter sua mente estimulada.. uau! Você vai perceber o quanto de coisa legal que pode fazer e como isso pode afetar de forma positiva quem tá perto de você! Eu poderia citar vários exemplos, mas é melhor eu ir parando por aqui porque eu vim falar do blog da Paty :D

É só clicar e se deparar com posts cheios de idéias que ela viu por aí – e morrer de vontade de soltar a criatividade e a imaginação também. Permita-se! :D E clica, clica:

Clique Garota Criatividade

Clique na imagem para acessar o Garota Criatividade